O que esperar para o circuito em 2017

Argentina
O mundo é azul e branco
02/12/2016
Federer x Nadal
Federer x Nadal XXXV: a lenda ressurge
31/01/2017

O que esperar para o circuito em 2017

circuito de tênis

O circuito de tênis está para começar em um dos anos mais esperados do esporte da bola amarela. Depois de um longo tempo, o rei Novak Djokovic e a rainha Serena Williams foram destronados, dando espaço para Andy Murray e Angelique Kerber. E a expectativa não se resume apenas à briga pelo topo do ranking, mas também por grandes retornos, como Roger Federer, Maria Sharapova, Rafael Nadal e quem sabe de Victoria Azarenka. Além disso, muitos tenistas que se destacaram em 2016 prometem ser protagonistas no ano que vem. Confira abaixo em quem prestar atenção na temporada de 2017.

Masculino

A promessa de briga pelo topo é um dos assuntos mais esperados no mundo do tênis. Os dois jogadores que dominaram 2016 estão muito próximos no ranking e defendem muitos pontos torneio a torneio, indicando que muitas competições poderão valer a posição mais nobre do ranking.

Apesar do 2º semestre quase irretocável de Murray e sua vitória sobre o rival no Finals, Djoko ainda é mais jogador. Resta saber qual versão do sérvio entrará em quadra na próxima temporada, aquela arrasadora que praticamente não comete erros ou a desinteressada e muitas vezes impaciente do último semestre.

No entanto, há outros jogadores que podem fazer frente aos dois melhores. Entre eles, destacam-se Raonic, que finalmente se consolidou no circuito e ocupa a terceira colocação; Wawrinka, com 3 Grand Slams na bagagem, o suíço sabe que pode vencer qualquer um em qualquer superfície, apesar de sua inconstância ao longo do ano; e os jovens que conseguiram fazer frente aos cachorrões em alguns torneios durante 2016: Thiem, Zverev e o polêmico Kyrgios.

Além desses, 3 nomes prometem movimentar o circuito de tênis nessa temporada. O primeiro é Juan Martin Del Potro. O argentino voltou no meio do ano passado e assombrou o mundo com vitórias sobre Djokovic, Nadal e Murray. Apesar de ter terminado 2016 com a prata olímpica, liderado a Argentina a sua primeira Copa Davis, voltado a disputar quartas de final de um Slam depois de 4 anos e vencido o ATP 250 de Estocolmo, o argentino ainda é o número 38 do mundo, ou seja, está solto nas chaves e pode pegar qualquer um em qualquer rodada.

Outra volta esperada é a de Rafael Nadal. Mesmo tendo jogado até outubro, o espanhol ficou fora de Wimbledon e teve que abandonar Roland Garros no último ano por lesão. Nadal chegou a voltar ao quarto posto durante 2016, mas acabou na 9ª posição e a expectativa é grande dele encontrar seu melhor tênis e voltar a fazer estragos no circuito.

Quem também fez muita falta em 2016 mas volta agora é Roger Federer. O maior de todos os tempos ficou um semestre longe das quadras e agora quer voltar com tudo logo no Australian Open. É difícil de saber o que o suíço pode conseguir nessa etapa de sua carreira estando na 16ª posição do ranking. Mas, se a história ensinou algo aos fãs de tênis foi jamais duvidar de Roger Federer.

Feminino

A queda de Serena Williams trouxe muitas dúvidas aos fãs do esporte a respeito de como será a próxima temporada. Por ser muito dominante, a americana de 35 anos continua sempre favorita sempre que entra na quadra com sua raquete de tênis. Prestes a alcançar o recorde de Grand Slam de Margaret Court (a australiana tem 24 conquistas contra 22 de Serena), a mais nova das Williams ainda segue com motivação para jogar os majors, ainda que não seja uma figura muito presente no restante da temporada.

Claro que o circuito feminino não se resume ao talento e motivação de Serena. Este é o ano que Kerber quer consolidar seu nome como uma grande vencedora. A alemã finalista de três Grand Slams em 2016, sendo campeã na Austrália e nos Estados Unidos, quer manter-se dominante diante do crescimento de Pliskova, do talento e potência de Muguruza e da regularidade e resistência de Halep, Radwanska e Cibulkova.

Outro evento que promete mudar a cara da temporada é o retorno de Sharapova. A russa afastada por doping tem o retorno ao circuito marcado para abril e já postou em suas redes sociais que está contando os dias para sua volta. Quem tem alguma chance de voltar é a grávida Azarenka. A bielorrussa, no entanto, declarou que não apressará o retorno e quer curtir a maternidade.

Brasileiros

O circuito de tênis masculino de simples terminou com 3 brasileiros no top 100: Thomaz Bellucci (61º), Thiago Monteiro (82º) e Rogério Dutra Silva (98º). Bellucci teve bons momentos nas Olimpíadas, o que renova a expectativa de uma boa temporada. Mas a esperança dos fãs brasileiros agora está depositada em Thiago Monteiro, que bateu Almagro e Tsonga na temporada passada em torneios no Brasil, sendo derrotado apenas pelo campeão de ambos os torneios, Pablo Cuevas.

No circuito feminino, não há brasileiras no top 100, a melhor colocada é Paula Gonçalves (168ª). Teliana Pereira, atualmente na 206ª colocação, caiu muito de rendimento em 2016, mas continua como a jogadora brasileira com mais chances de progredir. A pernambucana chegou a alcançar a 43ª posição em 2015, mas não encontrou seu jogo no ano passado. Vamos aguardar seus resultados na próxima temporada.

É nas duplas que o Brasil tem sua maior projeção no tênis, mais especificamente com 2 nomes: Bruno Soares e Marcelo Melo. O primeiro fez parte da melhor dupla de 2016 ao lado de Jamie Murray, sendo campeão do Australian Open e US Open – nada mal para o primeiro ano da parceria. O segundo já foi o número 1 do mundo e a partir de 2017 fará dupla com o polonês Lucasz Kubot, com quem já jogou alguns torneios nos últimos anos.

Pró Spin
Pró Spin
Somos a Pró Spin, uma loja virtual pioneira na venda de artigos esportivos pela internet que hoje pertence a um grupo empresarial chamado PS Esportes. A Pró Spin nasceu da necessidade de se adquirir produtos de qualidade e procedência no mercado eletrônico. Hoje é destaque no competitivo mercado online por respeitar o consumidor, oferecendo ótimas condições de pagamento, ofertas exclusivas, além de muita variedade de produtos de extrema qualidade.